Enicar Supergraph

Introdução;

Em 1960 a Enicar introduziu um modelo revolucionário, o Sherp Graph equipado com o calibre Valjoux 72. A sua promoção foi feita pelo piloto Stirling Moss, afirmando no anuncio abaixo: “O ENICAR Sherpa é definitivamente o relógio que eu sempre quis.
O modelo Sherpa Graph descrito no anuncio acima é precisamente o Mark I, com ponteiros de gládio.

Também o piloto de carros Jim Clark era um usuário do Sherpa Graph, estando o seu nome ligado à primeira edição deste modelo, que, desde então, se tornou favorito dos colecionadores.

Para além deste modelo, o calibre Valjoux 72 também foi utilizada em outros relógios Enicar Graph, como o AquaGraph (mergulho), o Super Graph e o GMT Jet Graph.

Com a evolução surgiu o modelo Mark 1B, de mais fácil fabrico e maior longevidade sem alterações, possui ponteiros estilo “remo ou lollypop”, exclusivo desta marca, presentes no material publicitário da época, como demonstra o anúncio da revista abaixo para o modelo 1308.

No final dos anos sessenta (cerca de 1967), o Graph ganhou um bisel rotativo e outros modelos Graph foram produzidos.

O modelo de supercompressor Sherpa 300.

Este anúncio é do catálogo da Chronosport de 1969.

Finais de 1969, a Enicar lança o Supergraph, também com o calibre Valjoux 72.

Foi o auge da marca, tendo ganho adeptos sem precedentes, no mundo do desporto e público em geral.

O Valjoux 72 – indiscutivelmente foi um dos melhores cronógrafos de corda manual de todos os tempos – ficou em primeiro lugar entre os movimentos históricos, mesmo antes dos resultados do leilão astronômico de 2015.

Já em 1949, o Valjoux 72 e sua variante equipada com calendário, o 88, foi soberbamente elogiado, tendo-se tornado na bíblia da indústria, listando todos os movimentos suíços: “La Classification Horloge des Calibres de Montres et Fournitures de AF Jobin ‘Horlogerie Suisses.

Naquela época, o seu calibre básico tinha mais de 35 anos e a família de movimentos que cresceu em torno dele, sobreviveria mais 25 anos, até a sua “morte” em 1974. Embora os números de produção sejam impossíveis de calcular, há boas notícias para o colecionador: em todos suas variantes, a quantidade total é próxima a 750.000.

As suas origens podem ser encontradas no calibre base, o Valjoux 22, lançado pela primeira vez em 1914. Esse movimento, de 14 linhas, apresentava uma roda de coluna que permaneceria durante toda a vida da série, um ou dois empurradores e um contador de 30 minutos. Ele trabalhava em 18.000 A/h ou bph.

Movimento de 13”’, com diâmetro de 29.5mm, e ou 30.0mm
Altura 6.95mm
17 joias
Opera em 18000 A/h
Reserva de marcha 48h

Após esta breve dissertação, falemos então do Enicar Supergraph que chegou ao atelier da Relojoaria Girão assim:

            

Muito mal tratado não Vos parece?

Ainda na desmontagem e preparação da caixa, os botões de comando estavam podres e totalmente oxidados

Aqui mostra a dificuldade para retirar os pushers, estavam calcificados.

Como não havia no mercado pushers (botões de comando), com as medidas necessárias, foi preciso proceder à sua fabricação.

Os parafusos de encosto chamados de pistons, aqui fabricados na relojoaria Girão e com medidas precisas, prontos para cumprir a sua função.

Os pushers já com os acabamentos finais, testados e completamente estanques.

E pronto, caixa terminada e com seus constituintes colocados, de salientar o estado péssimo que a caixa se encontrava, demasiado riscada, riscos muito profundos e pancadas feitas no passado. Tudo foi retificado e facetado exatamente e, cumprindo à risca a estética do fabricante e com vincos vivos. Mas muito trabalho ainda pela frente.

A bela máquina foi toda desmanchada, e devidamente revista, com desmontagem total, peça por peça, limpeza, lubrificação, substituição de peças com maior desgaste, regulagem e controlo final.

De facto houve muito trabalho para devolver a dignidade a este item.

O mecanismo estava minado de ferrugens nas partes em aço e oxidado noutros materiais.

A escala taquimétrica é em alumínio e não há forma de restauro para que fique duradoiro, também não há no mercado, pelo que e em “sintonia” com o proprietário, procedeu-se somente a melhorar, “higienização”  com respectiva e devida articulação.

No final do trabalho e de acordo com consentimento e aprovações do proprietário o item ficou assim.


 

De referir que todo o material luminoso estava podre e foi substituído por outro actual e não radioativo.

Espero que seja do Vosso agrado

Não se esqueçam de dar o Vosso contributo com o respectivo feedback. Sempre um prazer enorme.

 

Bem hajam Todos.

 

 

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *